Buscando a notícia para você desde 2007 - Região dos Lagos - Ano 2017 -

Futebol - Formula 1 - Coluna do Esporte com Wagner Augusto



BOTAFOGO E ATLÉTICO/GO. ZERO LÁ, ZERO CÁ... 

O Botafogo continua invicto no Brasileiro da Série B, mas não conseguiu jogar o suficiente neste sábado (23/05) para derrotar o Atlético-GO, deixando o estádio Mané Garrincha frustrado com o empate de 0 x 0, um resultado ruim para o Alvinegro, que é time de massa e precisa voltar à elite, e de bom tamanho para o Dragão, que só foi destemido no nome. O time do Rio começou mais ousado, e Lulinha teve boa chance aos 15 minutos - chutou cruzado e a zaga afastou - mas andou relaxando, cedendo espaço ao adversário, que passou a rondar a área alvinegra, embora só tenha criado uma grande oportunidade, aos 26, quando Arthur, livre de marcação, bateu forte para ótima defesa de Jefferson. Aos 43, o mesmo Arthur marcou de cabeça, completando falta cobrada por Sérgio Manoel. A arbitragem, porém, anulou o gol, pois o atacante estava em posição irregular. Não seria exagero afirmar que o Botafogo fez um primeiro tempo muito ruim. Na volta para o segundo tempo, Renê Simões trocou Daniel Carvalho, em dia ruim, por Diego Jardel, visando dar maior movimentação ao time. O jogo recomeçou equilibrado, com os times buscando o gol. Esbarravam, porém em suas limitações, daí as poucas emoções. Aos 16, Elvis concluiu no canto esquerdo, para bela defesa de Márcio, e aos 17, Arthur driblou Jefferson e bateu fora. Aos 20, Camacho, machucado, e Elvis, foram substituídos respectivamente por Airton e Tomas. O Botafogo tinha maior posse de bola, mas mostrava dificuldade para chegar à área do Atlético, e este tentava sair em velocidade, se atrapalhando, no entanto no passe final. Aos 29, Tomas mandou um balaço, e o goleiro jogou para escanteio. Visivelmente cansado, e convencido de que o 0 x 0 era um bom resultado, o Dragão passou a recuar instintivamente, e o Alvinegro até tentou forçar a barra, mas não teve capacidade para dobrar o adversário, sob as vaias da galera. 


Foto: Carlos Costa



FLU E TIMÃO FICAM NO 0 X 0 


Ótimas defesas de Cássio e um gol perdido por Guerrero, sem goleiro, decretaram o empate sem gols entre Fluminense x Corinthians neste domingo (24/05), no Maracanã, pela terceira rodada do Brasileirão. Com o terceiro técnico no campeonato, após saídas de Cristovão Borges e Ricardo Drubscky, o Flu começou a se remontar com Enderson Moreira, de volta após quatro anos. Com menos de um minuto, o time ofensivo, dos jovens e bons Vinicius e Gerson, mostrou sua cara. Giovanni cruzou, Fábio Santos e Ralf bateram cabeça e Gerson chutou para a primeira boa defesa de Cássio. A outra boa chance só veio aos 41 minutos. Jean chegou sozinho pelo meio e arriscou de longe. O goleiro corintiano espalmou e, no rebote, Vinicius carimbou a trave. O Timão, que teve Tite de volta no início do ano, a cada jogo também tenta se reconstruir. Neste domingo (24/05), a equipe fez seu 33º jogo na temporada e ainda sofre para voltar a fazer bons jogos como nos primeiros meses. Elias, que não estava 100% fisicamente, deu lugar a Bruno Henrique. O 4-1-4-1 que encantou foi trocado pelo 4-2-3-1. Mas Mendoza e Jadson não ajudaram para o esquema dar certo. No segundo tempo, os cariocas começaram melhores, de novo. Outro bom chute de Gerson, outra bela defesa de Cássio. No rebote, Fred, impedido, tentou e o Paredão do Corinthians não deixou passar nem vento. Já era o maior responsável pelo placar, até que um lance chamou a atenção. Em uma saída de jogo, Gum perdeu a bola para Petros, que entrou na área, viu Diego Cavalieri sair e tocou para Guerrero, sem goleiro, só fazer e se consagrar. Seria o 55º gol do peruano, que empataria com Dentinho como o maior artilheiro do Corinthians no século 21. O resultado final foi um chute torto e inacreditável, emblemático para a possível saída do jogador, que não terá o contrato renovado após 15 de julho. A jogada fez a equipe paulista crescer e começar a tocar mais a bola. Jadson, embora mal no jogo, deu ótimo passe para Petros e depois soltou uma chutaço de fora da área, que Cavalieri espalmou para escanteio. Foi o último lance que fez os quase 15 mil espectadores no Maracanã saírem da cadeira. O 0 x 0 deixa claro que Enderson Moreira e Tite ainda têm muito a fazer por suas equipes. Mesmo que em estágios diferentes. 


Foto: Cleber Mendes




JOGANDO EM CASA VASCO EMPATA COM INTER 


A permanência do técnico Doriva mostra que ele junto com o Vasco querem fazer um trabalho a longo prazo. Entretanto, o treinador precisa de um algo mais para fazer com que a equipe reencontre as boas atuações. Com extrema urgência! O time, mesmo com suas limitações, evidencia a todo o instante para o torcedor que não desiste. Mas, não é só jogando muito que se vence um jogo. A estratégia, inteligência é muito importante para a conquista os objetivos. O banco é importante demais para uma equipe que pretende brigar pela ponta de cima do campeonato. Mas parece que a falta tranquilidade para fazer dentro de campo, o que é treinado todos os dias. A pressão de dentro, vinda da alta cúpula, também pode ser importante para este desequilíbrio. O Vasco foi melhor que o Inter, mas jogando em casa, tinha que detonar, ainda mais diante de um time misto. Não podem perder gols claros como os de Madson e Julio dos Santos, ainda na primeira etapa. É preciso melhorar e muito. O ideal seria ter o empurrão da torcida também. As vaias jogam contra a equipe, mas falar isso para o torcedor neste momento é muito difícil. Por isso, Doriva precisa mexer de novo para fazer com que as coisas voltem a funcionar como antes. Porém o técnico também precisa do apoio da diretoria para ter peças importantes para a disputa da temporada. Não adianta o Eurico chegar na coletiva e dizer que o Vasco briga pelo título que as coisas irão acontecer. É melhor ser realista e trabalhar para que as coisas melhorem. 

Foto: internet




COM GOL IRREGULAR FLAMENGO JOGA MAL, PERDE PARA AVAÍ, E SEGUE SEM VENCER 


O futebol ruim, e principalmente conformado, e uma falha absolutamente grosseira do juiz Raphael Claus, que não viu a bola sair antes do segundo gol do Avaí, levaram o Flamengo à derrota por 2 x 1, neste domingo (24/05), na Ressacada, em Florianópolis, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro. E se o Leão não jogou tão bem, o Rubro-Negro foi, na prática, sobretudo uma equipe sem padrão de jogo definido, desorganizado do goleiro aos atacantes. Com o resultado, o Flamengo se mantém sem vitória no Brasileiro, e começa a sua já famosa briga contra o rebaixamento, embora o campeonato caminhe apenas para a sua quarta rodada. A estréia de Armero, aliás, foi o reflexo da atuação carioca. Uma finalização de Alecsandro para fora, logo aos cinco minutos, foi o que ocorreu digno de nota no primeiro tempo, pois se o time catarinense não conseguia superar a marcação do Flamengo, este também se mostrou uma nulidade no aspecto ofensivo. Daí o 0 x 0. No intervalo, Vanderlei Luxemburgo trocou Éverton, que estava com cartão, e não produzia nada de bom, por Paulinho. Mas mal começou a etapa final e Hugo pegou uma sobra da zaga para abrir o marcador. Certo de que tinha o jogo nas mãos, o Avaí se deixou surpreender aos seis minutos, quando Gabriel aproveitou rebote de Vágner, após conclusão de Cáceres, para empatar. O Flamengo, no entanto, continuou bagunçado, e Hugo voltou a marcar, graças ao tal equívoco da arbitragem, que não viu a bola sair pela linha de fundo, no cruzamento de Anderson Lopes, antes da conclusão. Apesar da desvantagem, e da situação péssima na tabela, a equipe carioca não demonstrou reação, tanto que só criou chance aos 48 minutos, em chute de Paulinho, para defesa do goleiro. A impressão que ficou - se levarmos em conta o Avaí, um time fraco, como referência, é a de que o Flamengo não conseguirá nada de muito interessante no Brasileiro, se não contratar bons reforços. 


Foto: Internet





MERCEDES PREJUDICA HAMILTON, E DÁ VITÓRIA À NICO NO PRINCIPADO DE MÔNACO 




O GP de Mônaco estava nas mãos de Lewis Hamilton. De forma tranquila, o inglês liderava com folga, bem à frente do rival de Mercedes, Nico Rosberg. Mas as ruas de Monte-Carlo sempre reservam surpresas aos amantes da Fórmula 1. Após safety car ir à pista, devido a acidente de Max Verstappen, Lewis foi aos boxes em uma estratégia confusa da equipe, perdeu a vitória para Rosberg, e a segunda posição para Sebastian Vettel. Ele fechou o pódio em terceiro lugar. Ao fim da prova, o clima no pódio era pra lá de constrangedor. O inglês sequer ficou para o estouro da garrafa de champagne e teve que ouvir do engenheiro de equipe um pedido de desculpas pelo erro cometido. Com o resultado, Rosberg colocou fogo na briga pelo Mundial e reduziu para 10 pontos a diferença para o rival (126 contra 116). Fora da briga pelo pódio, Daniil Kvyat, da RBR, fechou na quarta posição, seguido por Kimi Raikkonen, da Ferrari. O finlandês chegou a perder a quinta posição, após toque de Daniel Ricciardo, da RBR, mas o australiano teve ciência do erro de manobra cometido e cedeu o quinto posto, fechando em sexto lugar. Fora a mudança inesperada no pelotão da frente, quem também chamou atenção foi Felipe Nasr. O brasileiro, que largou em 14º e sofreu com o rendimento da sua Sauber em todo final de semana, mostrou segurança e fez uma prova de recuperação. Beneficiado por erros adversários, ele fechou a prova em nono lugar, atrás de Jenson Button, que fez os primeiros pontos da McLaren. Se Nasr foi um destaque positivo, Felipe Massa foi o negativo. Logo no início da prova, ainda na primeira curva, o brasileiro se envolveu em acidente e teve que ir aos boxes para trocar o bico da sua Williams. Com a parada, ele retornou na última colocação e conseguiu ultrapassagem apenas sobre os carros da Manor, terminando a prova em 15º. Seu rival de equipe, Valtteri Bottas, também foi mal e fechou em 14º. Os pilotos retornam às pistas daqui a duas semanas, no próximo dia 07, no GP do Canadá, onde será realizada a sétima etapa do calendário 2015 da Fórmula 1. Até o momento, foram disputadas as etapas na Austrália, Malásia, China, Bahrein, Espanha e Mônaco. 

Fonte: Lance 
Foto: Andrej Isakovic



Até a próxima galera do esporte

Wagner Augusto